Cálcio

Também Conhecido como: Cálcio total; Cálcio ionizado
Nome formal: Cálcio
Testes relacionados: Vitamina D, Magnésio, Albumina, Phosphorus, PTH, CMP

Como é utilizado?

Quando é solicitado?

O que significa o resultado?

Há mais alguma coisa que deveria saber?

 

 

Como é utilizado?

O cálcio no sangue determina-se para rastrear, diagnosticar e controlar uma série de condições relacionadas com os ossos, coração, nervos, rins e dentes. Os níveis de cálcio no sangue não são indicativos da quantidade de cálcio presente nos ossos, mas sim da quantidade de cálcio que circula no sangue.

O nível de cálcio total é determinado como parte de um rastreio de saúde. Está incluído no Painel Metabólico Alargado (CMP) e no Painel Metabólico Básico (BMP) – grupos de testes que são realizados em conjunto para diagnosticar ou controlar uma variedade de condições. Quando se obtém um resultado anómalo de cálcio total, este é visto como um indicador de algum problema subjacente. Para ajudar a diagnosticar o problema, são realizados testes adicionais para determinar a concentração de cálcio ionizado, cálcio na urina, fósforo, magnésio, vitamina D e hormona paratiróide (PTH). A PTH e a vitamina D são responsáveis por manter as concentrações de cálcio no sangue dentro de uma gama de valores limitada.

 

A determinação da concentração de cálcio e de PTH em conjunto podem ajudar a determinar se a glândula paratíroide está a funcionar normalmente. A determinação de cálcio na urina pode ajudar a determinar se os rins estão a excretar a quantidade certa de cálcio, e o teste de vitamina D, fósforo e/ou magnésio pode ajudar a determinar se existem outras deficiências ou excessos. O equilíbrio entre estas diferentes substâncias e as suas mudanças são, frequentemente, tão importantes como as concentrações.

 

O teste de cálcio poderá ser usado como um diagnóstico se apresenta sintomas que sugerem:

 

  • Pedras nos rins;
  • Doenças ósseas;
  • Doenças neurológicas.

 

De forma a avaliar os níveis de cálcio, o teste de cálcio total é o teste mais frequentemente solicitado. Na maioria dos casos, é um bom reflexo da quantidade de cálcio livre envolvido no metabolismo, uma vez que o equilíbrio entre o cálcio livre e ligado é, por norma, estável e previsível. No entanto, em alguns doentes, este equilíbrio é quebrado e, em consequência, o cálcio total deixa de ser o teste mais apropriado. Nestas circunstâncias, torna-se necessário determinar a concentração do cálcio ionizado. Algumas condições em que se deve realizar o teste de cálcio ionizado incluem: doentes em estado crítico que recebem transfusões IV de fluidos, doentes que foram submetidos a uma cirurgia, e quando as concentrações de proteínas no sangue não são normais, como, por exemplo, baixos níveis de albumina.

 

Grandes flutuações nos níveis de cálcio ionizado podem levar à diminuição ou aumento do batimento cardíaco, provocar espasmos musculares (tetania) e confusão, ou mesmo coma. Em doentes críticos, é extremamente importante saber o nível de cálcio ionizado para se poder intervir e assim evitar complicações sérias.

 

 

Quando é solicitado?

A determinação do cálcio utiliza-se como um rastreio num exame médico de rotina. Está tipicamente incluído no Painel Metabólico Alargado e no Painel Metabólico Básico – dois grupos de testes utilizados, por vezes, na avaliação inicial de um doente, ou como parte de um rastreio de saúde.

O seu médico pode também solicitar a determinação do cálcio quando:

 

  • Sofre de doença renal, uma vez que, em doentes com insuficiência renal, é frequente haver baixas concentrações de cálcio;
  • Tem sintomas indicativos de uma concentração de cálcio demasiado elevada, tais como fadiga, fraqueza, náuseas, vómitos, constipação, dor abdominal, frequência urinária e aumento da sede;
  • Tem sintomas de uma baixa concentração de cálcio, tais como contorções abdominais, contorções musculares ou formigueiro nos dedos;
  • Se tem outras doenças associadas a concentrações anómalas de cálcio, como doença da tiróide, doença intestinal, cancro, ou má nutrição.

 

O seu médico pode solicitar a determinação do cálcio ionizado quando tem insensibilidade em volta da boca, mãos e pés, e espasmos musculares nas mesmas áreas, porquanto, estes podem ser sintomas de uma baixa concentração de cálcio ionizado. No entanto, se os níveis de cálcio diminuem lentamente, poderá não haver qualquer tipo de sintoma.

 

O controlo da concentração de cálcio pode ser necessário em alguns tipos de cancro (especialmente na mama, pulmão, cabeça e pescoço, rim, e mieloma múltiplo), em doenças renais ou transplantes de rins. O controlo também pode ser necessário quando existe uma concentração de cálcio anormal, por forma a avaliar a eficácia dos tratamentos, tais como suplementos de cálcio ou vitamina D.

 

 

O que significa o resultado?

A absorção de cálcio, a sua utilização e excreção, são regulados e estabilizados por um mecanismo de feedback que envolve a PTH e a Vitamina D. As condições e doenças que quebram a regulação de cálcio podem originar um inapropriado aumento ou decréscimo, de forma aguda ou crónica, nos níveis de cálcio, dando origem aos sintomas de hipercalcemia ou hipocalcemia.

Na maioria dos casos, é determinado o cálcio total pois este é de mais fácil execução que o teste de cálcio ionizado para além de não necessitar de um manuseamento especial da amostra de sangue. A determinação do cálcio total é normalmente uma boa indicação do cálcio livre pois as formas livre e ligada são, por norma, cada uma, cerca de metade da concentração total de cálcio. No entanto, uma vez que cerca de metade da concentração do cálcio sanguíneo está ligado a proteínas, os resultados do cálcio total podem ser afectados se as concentrações proteicas no sangue estão altas ou baixas. Nestes casos, é mais útil determinar directamente a concentração de cálcio livre utilizando um teste de cálcio ionizado.

 

 

Cálcio Normal

 

Um resultado normal de cálcio total ou ionizado em conjunto com outros resultados laboratoriais normais, geralmente significa um normal metabolismo do cálcio e que os níveis sanguíneos têm sido adequadamente regulados.

 

Cálcio Total elevado - hipercalcemia

 

Duas das causas mais comuns de hipercalcemia são:

 

 

  • Hiperparatiroidismo, um aumento da função da glândula paratiróide: esta condição é normalmente causada por um tumor benigno da glândula paratiróide. Esta forma de hipercalcemia é normalmente leve e pode estar presente por muitos anos antes de ser detectada;
  • Cancro: o cancro pode causar hipercalcemia quando se propaga até aos ossos, libertando-se cálcio para a corrente sanguínea, ou quando um cancro produz uma hormona similar à PTH, levando ao aumento dos níveis de cálcio.

 

Outras causas da hipercalcemia são:

 

  • Hipertiroidismo;
  • Sarcoidose;
  • Tuberculose;
  • Imobilização prolongada;
  • Consumo excessivo de Vitamina D;
  • Transplante de rins.

 

 

Baixos níveis de Cálcio Total – Hipocalcemia

 

As causas mais comuns dos níveis baixos de cálcio total são:

 

Baixos teores proteicos no sangue, em especial de albumina. Nesta condição, apenas os níveis de cálcio ligado se encontram baixos. Os níveis de cálcio ionizado permanecem normais e o metabolismo do cálcio é regulado de forma apropriada.  

 

Algumas das outras causas de hipocalcemia são:

 

  • Supressão da glândula paratiróide (hipoparatiroidismo);
  • Resistência hereditária aos efeitos da hormona paratiróide;
  • Ingestão deficiente de cálcio na dieta alimentar;
  • Baixos níveis de vitamina D;
  • Deficiência de magnésio;
  • Elevados níveis de fósforo;
  • Inflamação aguda do pâncreas (pancreatite);
  • Insuficiência renal;
  • Malnutrição;
  • Alcoolismo.

 

Há mais alguma coisa que deveria saber?

Os recém-nascidos, particularmente os bebés prematuros e os de baixo peso, são muitas vezes submetidos a uma determinação de cálcio ionizado durante os primeiros dias de vida, de forma a controlar a hipocalcemia neonatal. Tal poderá ocorrer devido a uma glândula paratiróide imatura, e nem sempre causa sintomas. Esta condição pode ser resolvida por si própria ou pode necessitar de tratamento com suplementos de cálcio, administrados por via oral ou intravenosa.

 

As determinações do cálcio no sangue e urina não fornecem indicações da quantidade de cálcio presente nos ossos. Para este propósito utiliza-se um teste similar ao raio-X, chamado densitometria óssea ou “Dexa”.

 

A toma de diuréticos tiazídicos é a razão mais comum de concentração elevada de cálcio devido a fármacos.

 


Última data modificada06.10.2010