Cobre

Também Conhecido como: Cu; Cobre urinário de 24 horas; Cobre total; Cobre plasmático não ligado à ceruloplasmina; Cobre livre; Cobre hepático
Nome formal: Cobre (urina de 24 horas, sangue, hepático)
Testes relacionados: Ceruloplasmin



O que vai ser analisado?

Este teste quantifica o teor de cobre no sangue, urina ou fígado (hepático). O cobre é um mineral essencial que o organismo incorpora em enzimas. Estas enzimas intervêm na regulação do metabolismo do ferro, na formação do tecido conjuntivo, produção de energia a nível celular, produção de melanina (o pigmento que produz cor da pele) e na função do sistema nervoso.

O cobre é encontrado em muitos alimentos incluindo nozes, chocolate, cogumelos, mariscos, cereais integrais, frutas secas e fígado. A água potável pode conter este mineral uma vez que esta flui através de tubos de cobre, e os alimentos podem adquiri-lo quando se cozinha ou serve alimentos em pratos de cobre. Por norma, o organismo absorve o cobre do intestino ligando-se este a uma proteína tornando-o não tóxico e transportando-o para o fígado. O fígado armazena algum cobre ligando-se o restante a uma outra proteína chamada apoceruloplasmina originando a enzima ceruloplasmina. Cerca de 95% do cobre no sangue encontra-se ligado à ceruloplasmina, estando o restante maioritariamente ligado a outras proteínas como a albumina. Assim, apenas uma pequena quantidade deste mineral está presente no sangue na forma livre (não ligado). O fígado excreta na bile o excesso de cobre sendo removido do organismo nas fezes. Algum cobre é também excretado na urina.

Tanto o excesso como a deficiência em cobre são raros. A Doença de Wilson, doença hereditária, pode levar a um excesso de armazenamento de cobre no fígado, cérebro e outros órgãos. Tal poderá causar danos tecidulares, sinais e sintomas tais como:

 

  •        Anemia
  •        Náuseas, dor abdominal
  •        Icterícia
  •        Fadiga
  •        Mudanças comportamentais
  •       Tremores
  •        Dificuldade em andar e/ou engolir
  •        Distonia

 

Se os rins estão envolvidos nesta condição, então a produção de urina poderá estar reduzida ou ausente. Alguns destes sintomas podem também ser observados no intoxicação por cobre devido à exposição ambiental aguda ou crônica a este mineral ou devido a condições como a doença hepática ou a obstruções que impedem ou inibem a excreção e o metabolismo do cobre.

 

Deficiências de cobre podem ocasionalmente ocorrer em indivíduos que possuem condições associadas à má absorção grave, tais como fibrose cística, doença celíaca e em crianças alimentados exclusivamente com leite de vaca. Os sintomas podem incluir neutropenia, osteoporose e anemia microcítica. Uma condição genética rara ligada ao cromossoma X, designada de síndrome de Menkes, causa, nas crianças afetadas, deficiência de cobre no cérebro e no fígado. Esta doença, que afeta principalmente os homens, está associada a convulsões, atraso ´no desenvolvimento, deficiente desenvolvimento arterial no cérebro, e cabelos grisalhos frágeis e encarapinhados.

 

Como se obtém a amostra para análise?

Amostra de sague venoso colhida do antebraço e/ou amostra de urina de 24 horas. Por vezes uma biópsia hepática.




Última data modificada05.11.2013

Nós aderimos aos princípios da charte HONcode da Fondation HON Nós aderimos aos princípios da carta HONcode.
Verifique aqui.