Electrólitos

Também Conhecido como:
Nome formal: Painel Electrolítico
Testes relacionados: Sódio, Potássio, Cloreto, CO2



Como é utilizado?

Quando é solicitado?

O que significa o resultado?

Há mais alguma coisa que deveria saber?

 

 

Como é utilizado?

O painel de electrólitos é frequentemente solicitado como parte de um exame de rotina, quer de forma isolada, ou como componente de um painel metabólico básico ou de um painel metabólico alargado. É utilizado para detectar um desequilíbrio electrolítico ou ácido-base e monitorizar o efeito do tratamento num desequilíbrio já conhecido, que esteja a afectar a função de algum órgão do organismo. Uma vez que os desequilíbrios electrolíticos e ácido-base podem estar presentes numa variedade de doenças agudas e crónicas, o painel de electrólitos é muitas vezes solicitado em doentes hospitalizados e naqueles que chegam às urgências.

 

Se um doente tiver apenas um electrólito com níveis demasiadamente altos ou baixos, como o sódio ou potássio, o médico pode solicitar uma repetição do teste do electrólito, monitorizando o desequilíbrio até que este seja resolvido. Se o doente tem um desequilíbrio ácido-base, o médico pode solicitar uma gasometria, que determina os níveis de pH, oxigénio e dióxido de carbono numa amostra de sangue arterial, de forma a avaliar a gravidade do desequilíbrio, e controlar a sua resposta ao tratamento.

 

 

Quando é solicitado?

Pode ser pedido como parte de um exame de rotina ou como uma ajuda na determinação do diagnóstico, quando o doente tem sintomas como edema, náuseas, fraqueza, confusão ou arritmias cardíacas. É frequentemente solicitado como parte de uma avaliação, quando o doente sofre de uma doença aguda ou crónica, e realiza-se em intervalos regulares quando o doente tem uma doença ou está a tomar medicação que possa provocar um desequilíbrio electrolítico. Os electrólitos são muito usados na monitorização do tratamento de algumas complicações, incluindo a elevada pressão arterial (hipertensão), insuficiência cardíaca e doença hepática e renal.

 

 

O que significa o resultado?

As concentrações dos electrólitos são afectadas pela sua ingestão na dieta alimentar, pela quantidade de água presente no organismo e pela quantidade de electrólitos eliminados pelos rins. Também são afectados por compostos como a aldosterona, uma hormona que conserva o sódio e aumenta a perda de potássio, e pelos péptidos natriuréticos, que aumentam as perdas de sódio renais.

 

Em alguns distúrbios, um ou mais electrólitos podem apresentar uma concentração anormal. O médico observa o equilíbrio global, mas centra a sua atenção principalmente nos níveis de sódio e potássio. Como exemplo, as pessoas que sofrem de problemas renais podem reter um excesso de fluidos no organismo, diluindo-se assim as concentrações de sódio e potássio o que leva a que estas caiam abaixo dos níveis normais. Pessoas que sofrem uma importante perda de líquidos podem ter concentrações de potássio, sódio e cloreto aumentadas. Algumas formas de doença cardíaca, de problemas musculares e nervosos e a diabetes, podem também apresentar níveis alterados de um ou mais electrólitos.

 

Conhecer quais os electrólitos em desequilíbrio pode ajudar o médico a determinar a causa e tratamento de forma a restabelecer o equilíbrio electrolítico adequado. Se não for tratado, o desequilíbrio electrolítico pode conduzir a tonturas, cãibras, batimento cardíaco irregular e poderá até originar a morte.  

 

 

 

Há mais alguma coisa que deveria saber?

Dependendo do(s) electrólito(s) que estão em desequilíbrio e da extensão dessa alteração, o tratamento pode envolver mudanças ao nível da dieta alimentar, como a redução do consumo de sal, aumento da ingestão de líquidos de forma a diluir a concentração de electrólitos, toma de diuréticos e medicamentos para tratar o desequilíbrio. Depois de iniciado o tratamento, o doente poderá ter que realizar o teste regularmente para determinar se este está a ser eficaz, e para garantir que o desequilíbrio não volta a acontecer.

 

Os níveis de potássio podem estar falsamente elevados devido a erros na(s) colheita(s) ou  no processamento das amostras. Se houver alguma dúvida da forma como foi realizada a colheita sanguínea, o médico pode solicitar que o teste seja repetido para verificar os resultados obtidos.

 

Alguns fármacos como os esteróides anabolizantes, corticoesteróides, laxantes, antitússicos e contraceptivos orais podem provocar o aumento dos níveis de sódio. Outros medicamentos como diuréticos, carbamazepina e antidepressivos tricíclicos podem fazer diminuir os níveis de sódio.

 

Os fármacos que afectam os níveis de sódio no sangue vão também alterar as concentrações de cloreto. Além disso, concentrações baixas de cloreto podem também ser provocadas pela ingestão de grandes quantidades de bicarbonato de sódio, ou pela toma em demasiada de antiácidos.

 

Alguns fármacos podem aumentar os níveis de bicarbonato (CO2 total), incluindo: fludrocortisona, barbitúricos, hidrocortisona, diuréticos da ansa e esteróides. Os fármacos que podem fazer diminuir os níveis de bicarbonato (CO2 total) incluem: meticilina, nitrofurantoína, tetraciclina, diuréticos tiazídicos e triamtereno. 




Última data modificada06.10.2010

Nós aderimos aos princípios da charte HONcode da Fondation HON Nós aderimos aos princípios da carta HONcode.
Verifique aqui.